Quinta Seara d'Ordens Branco Reserva 2012

É um vinho da Região do Douro, de corpo médio, meio seco e com um grau alcoólico de 13,5%.
A nobreza das castas Rabigato (30%), Malvasia Fina (50%) e Fernão Pires (20%), associada ao solo e ao micro-clima deu a este vinho personalidade e carácter único.
Fermentou em barricas de carvalho francês durante 6 meses.
Deve ser servido a uma temperatura de 10-12ºC.
Acompanha muito bem pratos de peixe e/ou marisco.

Eu acompanhei com um Bacalhau no forno (ver aqui).




Castas


Rabigato é uma casta branca autoctone que é cultivada em diversas regiões com especial destaque para as DOP Douro, Porto e Trás-os-Montes, com exceção das regiões de Monção e Lima.

É uma casta de maturação precoce, apresentando no geral um vigor e produtividade médios; adaptando-se a todos os tipos de porta-enxertos, prefere solos secos e um clima moderado, demonstrando boa adaptação para a vindima mecânica.
A sua elevada acidez natural e bem equilibrada, boas graduações alcoólicas, frescura e estrutura, características que a elevaram ao estatuto de casta promissora no Douro.
Apresenta cachos médios e bagos pequenos, de cor verde amarelada. Poderá, nas melhores localizações, ser vinificada em estreme, oferecendo notas aromáticas de acácia e flor de laranjeira, sensações vegetais e, tradicionalmente, uma mineralidade atrevida.
Porém, o que justifica a sua reputação é a acidez mordaz e penetrante que deixa na boca.

Malvasia Fina é uma casta que está presente no interior norte de Portugal, sobretudo no Douro, Dão e Beira Interior. Também se encontra na região de Távora-Varosa e Lisboa.

É particularmente sensível ao oídio (nome genérico dado a um elevado número de fungos unicelulares pertencentes à família dos erisifáceos) e moderadamente à podridão, míldio (doença que ataca a parte aérea da planta e é causada por um fungo, a oomiceta Phytophthora infestans) e desavinho (acidente fisiológico em que não ocorre a transformação das flores em fruto), proporcionando rendimentos extremamente variáveis e inconsistentes.
Os vinhos anunciam, por regra, sintomas melados, no nariz e na boca, vagas notas de cera e noz-moscada, aliados a sensações fumadas, mesmo quando o vinho não sofre qualquer estágio em madeira.
Estes vinhos são, tradicionalmente, discretos, pouco intensos, razoavelmente frescos e medianamente complexos. É uma casta de lote que, nas regiões mais frescas e quando vindimada cedo, funciona como base de espumantização.

Fernão Pires (ou Maria Gomes) é uma das castas brancas mais plantadas em Portugal, ocupando uma mancha regular que se estende por todo o país, embora nas regiões do Tejo, Lisboa e Bairrada assuma maior protagonismo.

É uma casta que tem uma maturação muito precoce, por isso é uma das primeiras castas portuguesas a ser vindimada.
A produtividade elevada, a versatilidade, precocidade e riqueza em compostos aromáticos, ajudam a explicar a popularidade. Como é uma casta muito plástica, é também utilizada em estreme e lote, aceitando ainda a espumantização e a vindima em colheita tardia, para obtenção de vinhos doces. Por regra, os vinhos desta casta devem ser bebidos jovens.
Além disso, é muito sensível às geadas e desenvolve-se melhor em solos férteis, de clima temperado ou quente.
Esta casta possui um bom teor alcoólico e uma acidez baixa/média e por isso os descritores aromáticos que lhe estão associados alternam entre a lima, o limão, as ervas aromáticas, a rosa, a tangerina e a laranja.


7 comentários:

  1. A ultima imagem faz-me lembrar...meus cachos de uvas...na minha horta!
    por aqui...o vinho é maduro...bem levezinho...com um sabor...bem suave!
    Esta sua escolha...promete!!!
    Bj

    ResponderEliminar
  2. Um bom vinho branco fresquinho é excelente! Obrigada pela partilha!

    ResponderEliminar
  3. Que delícia de postagem, ótima informações!

    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Sábado vou a uma prova no Porto, obviamente que os douros vão lá estar. Adoro vinho, não conheço este, mas vou conhecer

    ResponderEliminar
  5. Veramente delizioso!!!! Un abbraccio

    ResponderEliminar
  6. Olá Susana,
    Hoje andei a conhecer o teu blogue e já o estou a seguir. Gostei do que aqui encontrei!
    Achei este post particularmente interessante pois, ultimamente, tenho dado mais atenção aos vinhos e suas características.
    Um beijinho.
    Vanda

    ResponderEliminar
  7. OI Susy, esse vinho com bacalhau ao forne deve ter ficado perfeito.
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe

    ResponderEliminar